como se todo o mundo fosse periferia

Paulo é desprezado, apedrejado e “morto” no centro, na cidade.
Fora da cidade, a periferia, a fronteira,
apresenta-se como o lugar do cuidado, da saúde, da vida dedicada,
porque no limite saboreamos a semelhança.

O “sofrer muito” de que fala Paulo – a ponto de morrer – passou,
e passa, por trazer para o centro o que é próprio da periferia:
mais pontes que fronteiras,
mais cuidado e dedicação que cálculos e esquemas.

É essa paz que falta construir,
“sem vencedores nem vencidos”,
feita de pontes e laços de irmãos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.