quem ama é como quem vê

Encontrar Jesus,
ser visto de novo por Jesus – na expressão de João -,
apresenta-se associado a um parto,
ao aparecimento se “algo” muito maior
que faz esquecer o próprio sofrimento,
que faz medir em outra escala,
e que trás uma alegria que já ninguém tira,
que já não depende de mil e uma coisas…

Encontro, ser olhado, ser visto,
e alegria, “a-lacrem” – que, bem sabemos, significa muito mais do que “sem-lágrimas”.
Sim, a alegria é da ordem da relação, ou se quiséssemos, a relação enxuga as lágrimas,
o verdadeiro encontro enxuga as lágrimas.
E se a relação é a linguagem da fé [“amen”, firmar, amarrar, “criar laços”]
a alegria é consequência dos laços, da relação, da fé.

No episódio de Paulo no tribunal de Corinto
percebemos um movimento de busca de culpados,
usando o próprio chefe da sinagoga;
ninguém queria, verdadeiramente, ver ninguém;
ninguém queria, verdadeiramente, encontrar ninguém;
ninguém queria, verdadeiramente, relação;
buscavam-se culpados
– como em tantas manchetes e noticiários;
como em tantos dos nossos lamentos…

Hoje não queremos culpados;
hoje queremos “ser visto” por Jesus;
hoje queremos olhar o outro como se fosse o próprio Jesus a olhar,
como se fosse o próprio Jesus a ver,
como se fosse o próprio Jesus a perdoar,
dizendo ao outro o que Jesus nos diz a nós, como a Paulo:
“Não tenhas medo. Fala, porque eu estou contigo e ninguém te fará mal”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.